No início do ano de 2017, a oficina de Práticas Industriais da instituição dispunha de máquina fresadora ferramenteira de operação manual, onde identificou-se a oportunidade de aplicar um processo de Retrofit e contribuir com o desenvolvimento da faculdade no que diz respeito a disponibilização de equipamentos para utilização didática.

Automatização da fresadora

A automatização deste equipamento beneficia alunos e professores, tendo disponibilizado um recurso para elaboração de aulas e projetos acadêmicos aumentando assim a gama de processos de fabricação que podem ser realizados em aula, e também a complexidade destes, uma vez que ocorre o aumento de precisão da máquina

Os movimentos de usinagem na máquina eram realizados de forma manual e com a automatização, tais movimentos serão feitos através da atuação de motores controlados por uma placa de comandos central.

 

Como funcionará?

Um computador fará a interface entre a programação de usinagem elaborada pelo usuário e a placa de comandos central, que por sua vez atuará no Driver do motor que transmite o comando de movimento para as mesas de trabalho na direção X e Y e para o Spindle na direção Z.

A máquina possuía um motor de corrente alternada trifásico de dois cavalos-vapor (CV) de potência nominal, potência utilizada para a rotação do eixo arvore, com uma transmissão de velocidades variáveis por polia cônica. Contava também com sistema de inversão de rotação para uso de uma maior gama de ferramentas.

Orçamento e processo de integração.

O orçamento realizado no pré-projeto foi atendido de forma satisfatória, respeitando a restrição do projeto de maior importância que era não exceder certo valor por integrante do grupo.

O processo de integração não apresentou grandes dificuldades em sua implementação embora o desafio esteve presente, pois os materiais de pesquisas em sua maioria estavam em língua estrangeira, e/ou são escassos.

A automatização é segura?

Com a realização do pré-teste concluída com sucesso em um dos motores ainda não fixado à máquina, a integração dos motores em sua totalidade foi facilitada, pois a reprodução da atividade assim como seus resultados para os demais eixos se mostrou mais simples.

O projeto do quadro elétrico se mostrou bem preciso em relação ao seu dimensionamento, e sua montagem se mostrou eficiente em relação à posição dos componentes nele inseridos, assim como sua movimentação e acesso para desmontagem ou manutenção dos elementos.

A máquina se demonstrou bastante segura devido aos circuitos de proteção que atendem a NBR 5410 e NR10 e a implementação dos sensores fim de curso e botoeiras de segurança garantiram a segurança do equipamento e dos operadores que utilizarão a máquina futuramente.